fechar
LifeStyle

Como lidar com o estresse e melhorar meus hábitos

Quem aqui já sofreu com stress?

Provavelmente você tenha dito: eu!

Hoje consigo lidar melhor com o estresse, mas nem sempre foi assim.

Em 2006 trabalhei numa consultoria que representava uma grande empresa de telefonia móvel. Isso foi uma ótima oportunidade para aprender como atender bem um cliente e conseguir superar suas expectativas. Eu era responsável por uma gorda carteira de clientes de vários portes. E os problemas geralmente eram os mesmos: cobranças indevidas.

Basicamente minha rotina era ficar com dois telefones usando um fone de ouvido em cada orelha para abrir ou consultar processos de contestação de fatura.

Eu adorava aquela loucura, me sentia muito útil ajudando os clientes, via que desde aquela época eu já vendia tempo para eles. Trabalhei nesta empresa por 4 anos e tomei a decisão de sair de lá. Sabe qual foi o motivo? Se você pensou que foi o estress, se enganou.

Pasmem, decidi sair porque além de fazer o meu trabalho tive que cobrir as funções de mais duas colegas que saíram da empresa, descobri que o dono do escritório autorizado da operadora decidiu diminuir meu salário. Imagina a minha reação?

Lembro-me que no dia senti uma ira, revolta, um mix de emoções tão ruins que não consigo nem descrever para você.

Quem me conhece sabe que tenho um temperamento um tanto forte, mas naquele momento respirei fundo e comuniquei à gerente que aquele era meu último dia na empresa.

Não existe FGTS que pague a minha dignidade.

Peguei minhas coisas e simplesmente fui. Sem olhar para trás. Orgulhosa pela carreira construída ao longo desses 4 anos e segura de que fiz a escolha certa.

Eu estava estressada, desgastada com o trabalho, perdi as contas de quantas vezes deixei de almoçar por conta da correria e por preocupações que não valeram a pena. Também perdi as contas de quantas vezes eu ia trabalhar de sábado e domingo porque ficava incomodada de ficar em casa, relaxando, vendo TV ou tentando ler um livro enquanto pensava em todo trabalho que tinha para fazer na segunda-feira.

Ninguém me obrigava ir ao trabalho durante os finais de semana, pelo contrário, a ordem era não ir, mas eu não conseguia controlar aquela necessidade de trabalhar.

Bom, passado alguns dias comecei a trabalhar em São Paulo. Na época eu morava em Atibaia, que fica aproximadamente 75 km de São Paulo. Era uma bela viagem todos os dias, mas tudo bem, comecei a fazer faculdade de Marketing na Anhembi Morumbi na Avenida Paulista. Um sonho realizado, trabalhar na Avenidade Paulista! Aqueles prédios enormes, cheios de vida, ideias, planos, problemas, pessoas…

Comecei a trabalhar como estagiária. Eu era uma esponja, absorvia tudo, inclusive aprendi um novo idioma graças a esta empresa. Tive muito orgulho em poder acompanhar o crescimento dela!

Tudo ia bem até que o estress mais uma vez começou a me vencer. Além do stress no trabalho, vivi um relacionamento abusivo (que só fui dar conta de que era isso depois). Então me vi perdida num mar de tristeza e de sentimentos confusos novamente.

Até que em 2012 assisti uma palestra da Marcela Buttazzi na semana de negócios da Anhembi. Ela falou sobre Coaching. Eu fiquei encantada e pensei: preciso disso! No final da palestra peguei o contato dela, mandei e-mail e na semana seguinte iniciamos o processo de Life Coaching. A cada sessão eu ia do céu ao inferno. Autoconhecimento é bom, mas dói, machuca.

Graças ao processo de coaching e a minha vontade de viver algo diferente e melhor, consegui outro emprego (para ganhar mais inclusive e que estava relacionado com uma das minhas áreas de interesse na época). Além disso consegui desfazer os nós que me mantinham cativa naquela relação problemática.

Resultado desse processo: me reiventei mas peguei uma conjutivite que durou exatamente 21 dias. Eu estava trabalhando há uma semana no novo emprego, então imagina o stress que eu passei? Quase fui reprovada na faculdade por falta porque houve uma divergência de política de atestado médico e também fiquei com medo de perder meu novo trabalho.

A conjuntivite passou, mas o aumento do grau na minha vista direita não.

Foi aqui que me dei conta de que o stress é um veneno que vai consumindo nossa energia dia a dia, de pouco em pouco e quando menos esperamos, lá estamos nós doentes.

Quando isso aconteceu pensei: melhor eu parar ou meu corpo vai me parar.

Quantas e quantas vezes recebemos sinais de que precisamos parar e negligenciamos isso?

“Ah! Só mais um email, só mais um evento, só mais uma viagem, só mais uma reunião, só mais um pouquinho…”

Cuidado!

Não deixe a sua saúde física e mental para depois.

Desde esse dia tive vários momentos de estress, mas comecei a devorar livros de auto ajuda e buscar alternativas para lidar melhor com ele.

Há quem tenha suas reservas sobre conteúdos de auto-ajuda. Eu era uma delas até que me permiti experimentar. Pensei: se não der certo, tento outra coisa e tudo bem.

Desde então venho colecionando alguns hábitos que me ajudam a lidar melhor com tudo que vivo. Estou longe de ser uma super mulher, a questão não é esta, mas sim que posso experimentar, errar e acertar, basta eu querer.

Desde então estou colecionando uma série de hábitos, experimentando e ajustando outros e isso tem me ajudado muito a lidar com o tão temido estress e por esta razão tomo a liberdade de compartilhar com você algumas coisas que aprendi ao longo dos últimos anos.

Vamos lá?

Estress não é frescura!

Epidemia global. É assim que a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o estresse, uma doença que atinge mais de 90% da população do mundo. Irritações no trânsito, excesso de trabalho, falta de descanso e até mesmo falta de uma ambiente familiar favorável. Vários fatores podem levar ao problema, que, se manifestado em graus elevados, se torna responsável por um desequilíbrio do organismo e pelo aumento dos casos de outras patologias, inclusive fatais.

Segundo a psicóloga Regina Basílio, o estresse é uma condição humana natural e, em grau mínimo, é importante e necessário para a vida. “Popularmente, as pessoas falam em matar um leão por dia. E é com certo grau de tensão/estresse que criamos condições para sobreviver, que temos ânimo e coragem para trabalhar e para enfrentar as diversas situações do dia-a-dia”, conta.

Então lembre-se que o stress está em nossa rotina. Não se renda, mas também o super valorize. Busque alternativas para lidar com ele.

Conheça os diferentes tipos de estress

Como vou lidar com algo que não sei o que é?

Complicado.

Por isso quero compartilhar com você os diferentes tipos de estress, assim vamos ter mais clareza sobre o que são e como podemos lidar melhor com eles.

Stress agudo: Este é a forma de stress mais comum. Surge das exigências e pressões do passado recente e as exigências e pressões em relação ao futuro próximo. O stress agudo é emocionante e fascinantes desde que venha em pequenas doses, porque quando vem em grande quantidade ele nos esgota. Exagerar com o stress a curto prazo pode gerar agonia psicológica, dores de cabeça, mal estar estomacal dentre outros sintomas.

Os sintomas mais comuns são:

  • Agonia emocional: uma combinação de raiva e irritabilidade, ansiedade e depressão. Estas são as três emoções que compõem o stress.
  • Problemas musculares que incluem dores de cabeça, dores nas costas, mandíbulas e as tensões musculares que derivam em dores musculares e problemas nos tendões e ligamentos.
  • Problemas estomacais e digestivos como acidez, flatulência, diarreia, constipação e síndrome do intestino irritável;
  • Sobreexcitação passageira que resulta em pressão arterial elevada, batimentos cardíacos rápidos, transpiração das palmas das mãos, palpitações, tonturas, enxaquecas, mãos ou pés frios, dificuldade em respirar e dor torácica.

Stress agudo episódico:Por outra parte, existem pessoas que possuem stress agudo com frequência cujas vidas são desordenadas, repletas de caos e crises. Eles estão sempre com pressa e sempre atrasados. Eles assumem muitas responsabilidades, têm muitas coisas em suas mãos e não conseguem organizar a quantidade das demandas auto-impostas ou as pressões que exigem sua atenção. Parecem estar perpetuamente no estresse agudo.

É comum que as pessoas com reações de estresse agudo estejam muito agitadas, tenham mau humor, sejam irritadas, ansiosas e tensas. Eles são frequentemente descritos como pessoas com “muita energia nervosa”. Sempre com pressa, eles tendem a ser afiados e às vezes sua irritabilidade é transmitida como hostilidade. As relações interpessoais deterioram-se rapidamente quando os outros respondem com hostilidade. O trabalho torna-se um lugar muito estressante para eles.

Os sintomas do estresse agudo episódico são os sintomas de excesso de agitação prolongada: dores de cabeça persistentes, enxaquecas, hipertensão, dor torácica e doença cardíaca. O tratamento do estresse episódico agudo requer intervenção em vários níveis, o que geralmente requer ajuda profissional, o que pode demorar vários meses.

Stress Crônico: Ocorre quando o indivíduo nunca vê uma saída para uma situação deprimente. É o estresse de demandas e pressões implacáveis durante períodos aparentemente intermináveis. Sem esperança, a pessoa abandona a busca de soluções. Alguns tipos de estresse crônico provêm de experiências traumáticas da infância que são internalizadas e permanecem dolorosas e constantemente presentes.

O estresse crônico pode levar ao suicídio, a violência, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e até câncer. As pessoas se desgastam até chegarem a um colapso nervoso fatal. Como os recursos físicos e mentais são consumidos pelo Burnout de longo prazo (Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido por Herbert J.), os sintomas do estresse crônico são difíceis de tratar e podem exigir tratamento médico e comportamental e gerenciamento do estresse.

Lidando com o estress

Agora que entendemos o que é estress veremos o que fazer para lidar melhor com ele.

A maioria das situações que nos causam estresse são fundadas por medos e desejos insatisfeitos, que recriamos em nossa mente uma e outra vez. Um de seus estresses pode ser o medo de ser deixado na rua se ficar sem trabalho. Outro estresse pode ser causado pela frustração porque você não pode ir a uma viagem onde todos foram. Os pensamentos que surgem como resultado de situações como essas são aqueles que nos deixam doentes, e são esses pensamentos que devemos aprender a lidar.

Evite se engajar em muitas coisas ao mesmo tempo, aprenda a gerenciar essa tendência para controlar tudo. Saiba simplesmente que as coisas podem falhar e que você pode resolvê-las.

Inclusive criei um curso sobre Hábitos e Produtividade que pode ser útil para você.

Crie um ponto de apoio para enfrentar qualquer situação

A razão pela qual ficamos desesperados é porque não temos mais recursos para enfrentar uma situação. Se, por exemplo, você tem um carro, e é roubado, então, se você tem seguro, isso não causará tanto estresse como se você não o tivesse. Naquele momento, em qualquer situação, você deve ter uma base que lhe dê confiança, você não pode depender completamente de algo, porque se isso falhar em algum momento, você se sentirá perdido.

Controle suas reações e mantenha sua saúde emocional em dia

Estamos cheios de estresse porque isso é uma forma de vida, estamos acostumados. Para superar isso, aprenda a identificar situações em que o estresse surge e esteja ciente desse momento, No instante em que algo está te incomodando, foque seu pensamento no fato de você ser uma pessoa culta e inteligente e que não é nada atraente vê-lo como uma pessoa irritada e incapaz de controlar uma situação simples.

Pense que você é maduro e que você pode lidar com uma situação com a altura necessária.

Escrevi um artigo que dá dicas sobre como podemos desenvolver nossa inteligência emocional e desde então tomei consciência de que muitos hábitos podem ser implementados e assim ver melhorias na minha vida.

Faça algo que te ajude esquecer o estress

Não podemos evitar as coisas que nos causam estresse, o que podemos evitar é nos deixar ser consumidos pelo estresse. Para isso, a única maneira de fazê-lo é mudar de atividade, de referência um entretenimento. Assista a um filme que você gosta muito, vá a uma discoteca, vá à academia. A mudança de atividade fará com que seu pensamento se afaste de todo esse turbilhão de idéias.

Eu por exemplo participo de corridas de rua, aulas de ballet e prática de yoga.

Considerações finais

Espero que esse artigo sirva como um alerta: você não está sozinho.

Nos últimos anos estudei muito sobre como posso ser uma pessoa melhor. Se eu for uma pessoa melhor, consequentemente serei uma profissional melhor, uma amiga melhor, uma filha melhor, uma irma melhor, uma esposa melhor…

Naturalmente o que compartilhei com você tem cunho de experiências empíricas, mas tem coisas que comecei entender melhor justamente por conta das leituras que fiz, dos cursos que participei e das experiências que vivi.

Não sei o nível do seu estress, não sei a sua história, mas ficarei muito grata se você puder compartilhar a sua opinião sobre o texto comigo através dos comentários.

Se ele fez sentido para você, compartilhe com seus amigos e vamos promover ações que contribuam para o nosso amadurecimento pessoal porque certamente trará muitos benefícios para todas as áreas da nossa vida.

Fico muito feliz que você chegou até aqui. Foi um post longo, mas eu queria dizer o que tenho feito para lidar melhor com o estress dia a dia.

Um abraço e até a próxima!

Priscila Stuani

Tags : AutoConhecimentoCarreiraestressstressvida pessoalvida profissional
Priscila Stuani

Autora Priscila Stuani

Graduada em Marketing (UAM), Pós-graduanda em Neurociência aplicada à educação (UAM). Depois de atuar no mercado de serviços B2B por 7 anos, me tornei facilitadora do aprendizado, faço a interface entre o aluno e a teoria/prática. Também estou focada em apoiar profissionais no processo de criação de posicionamento no ambiente digital através do conteúdo para blogs e redes sociais.